Servidores da Agricultura voltam à Praça da Matriz nesta terça-feira (17/12)

161

Fiscais estaduais agropecuários da Capital e do Interior, juntamente com servidores das demais categorias da Secretaria da Agricultura e de outras áreas do funcionalismo, estarão mobilizados a partir desta terça-feira (17/12), às 9h30, na Praça da Matriz, em frente à Assembleia Legislativa. O ato tem como objetivo pressionar pela retirada do pacote que desmonta o serviço público e, por consequência, as carreiras dos servidores.

“É importante que todos estejam lá pois será um dia decisivo. Vamos pressionar os deputados para que seja retirado o regime de urgência”, ressalta o presidente da Associação dos Fiscais Agropecuários do Rio Grande do Sul (Afagro), Pablo Fagundes Ataide. No caso dos servidores do Interior, o dirigente ressalta que o Sintergs está organizando transporte com saída de todas as regionais.

Por meio da greve unificada, Sintergs, Sindsepe e Sindicaixa convocaram assembleia geral extraordinária para mobilizar o maior número possível de servidores nesta terça-feira. Considerando que a votação pode se estender até quarta ou quinta-feira, também está sendo disponibilizado alojamento na sede social do Sindicaixa. Interessados devem fazer contato com a diretoria da Afagro.

Sobre o pacote que retira direitos
Entre terça a quinta-feira (17 a 19/12), o governo do Estado tentará levar à votação os sete projetos de lei que compõem o pacote que retira direitos de todos os servidores públicos. A greve dos servidores públicos, desde o dia 26/11, reivindica a retirada do pacote, além do pagamento dos salários em dia e a reposição salarial que não ocorre há cinco anos.

Sobre a greve: desde 26/11 os fiscais estaduais agropecuários estão em greve juntamente com outras categorias ligadas à Secretaria da Agricultura, entre elas os técnicos agrícolas e os analistas agropecuários e florestais, representadas pela Agefa e Assagra, além dos servidores da área administrativa e os da antiga Caixa Estadual. Também fazem parte da greve unificada servidores de outras áreas,como Saúde, Cultura e Planejamento, entre outras categorias ligadas ao Sintergs, Sindsepe e Sindicaixa. O atraso e o parcelamento dos salários há 48 meses e a falta de reposição salarial há 5 anos motivam a greve, além do pacote do governo do Estado que retira direitos e reduz indiretamente a remuneração dos servidores públicos que se juntaram ao Cpers para formar a Frente dos Servidores Públicos (FSP).

Foto: Bruna Karpinski

Compartilhe:
Categorias neste artigo
WhatsApp chat